logo RCN

Usinas solares e créditos de carbono: uma nova forma de investimento

No dia 2 de maio, na Linha Presidente Becker, interior de Itapiranga, a Techsun Energia Solar promoveu um evento voltado aos seus clientes e convidados para a apresentação de um novo serviço que será desenvolvido pela empresa em parceria com o Grupo Freanti e Munaretto Eletrificações. Trate-se dos créditos de carbono, uma forma de comercialização baseada na redução das emissões de gases do efeito estufa.

As usinas fotovoltaicas geram energia limpa e renovável, sem emitir gases poluentes. Ao instalar uma usina, você não apenas contribui para um futuro mais sustentável, como também gera créditos de carbono equivalentes à quantidade de CO2 que deixou de ser emitida pela geração elétrica convencional. É uma importante ferramenta que permite que empresas e pessoas compensem financeiramente suas emissões de gases de efeito estufa, investindo em projetos ambientalmente responsáveis.

Protocolo de Kyoto e os créditos de carbono

Com o Protocolo de Kyoto surgiu o conceito de crédito de carbono, um mercado de créditos gerados com base na não emissão de gases de efeito estufa à atmosfera, podendo ser comercializados entre os países. Ratificado em 1999 e em vigor desde 2005, o acordo internacional estabeleceu que, entre 2008 e 2012, os países desenvolvidos deveriam reduzir 5,2% (em média) das emissões de gases que agravam o efeito estufa em relação aos níveis medidos em 1990. O tratado também definiu quantidade e prazo para as nações desenvolvidas e flexibilizou o período para os Estados em desenvolvimento.

Os créditos de carbono são uma forma de comercialização baseada na redução das emissões de gases do efeito estufa. A cada uma tonelada de dióxido de carbono equivalente (t CO2e) não emitida, gera-se um crédito para o país. Assim, quando uma nação consegue reduzir a emissão dessa tonelada, ela recebe uma certificação emitida pelo Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), ou seja, recebe os créditos que estarão disponíveis para serem comercializados com os países que não alcançaram suas metas.

Sendo assim, quanto mais forem reduzidas as emissões em toneladas de CO2 equivalente por um país, maior será a quantidade de créditos de carbono disponível para a comercialização com os países que têm metas a cumprir. Com a entrada do Acordo de Paris, em 2015, ficou estabelecido que as metas e compras de redução de emissões são todas definidas de maneira doméstica, ou seja, cada país define o quanto quer reduzir, como e de quem quer comprar os créditos de carbono.

- Processo de Certificação: em andamento por empresa habilitada, com duração estimada de 6 a 8 meses.
- Rentabilidade Esperada: varia de acordo com a certificação e a quantidade de créditos gerados. Para microgeração, a estimativa é de R$ 25.000 a R$ 38.000 por ano.
- Análise Personalizada: para usinas acima de 75 kW (mini geração), oferecemos uma análise individualizad

A Techsun Energia Solar de Itapiranga, em parceria com o Grupo Freanti e a Munaretto Eletrificações, oferece um serviço completo! “Cuidamos de todo o processo desde a certificação, comercialização e do monitoramento constante da sua usina fotovoltaica para acompanhamento da geração de créditos de carbono”, destaca a direção da empresa.

Entre em contato e saiba mais!

Usinas solares e créditos de carbono: uma nova forma de investimento Anterior

Usinas solares e créditos de carbono: uma nova forma de investimento

Cooafi comemora 15 anos de atividades em Itapiranga Próximo

Cooafi comemora 15 anos de atividades em Itapiranga

Deixe seu comentário